Governo do Distrito Federal
Governo do Distrito Federal
18/08/16 às 11h14 - Atualizado em 29/10/18 às 11h38

Desafios e alternativas para enfrentamento à crise são debatidos em encontro com equipe do Banco Mundial em Florianópolis

 

O presidente da Asbraer, Argileu Martins, e o presidente da associada Epagri, Luiz Hessmman, participaram de debate sobre medidas que deram certo – como o trabalho para redução da desigualdade social no Brasil; e desafios a serem superados – como o lento crescimento da produtividade e a existência de um ambiente de negócios desfavorável, que foram apontados pela equipe do Banco Mundial como parte do estudo “Retomando o caminho para a inclusão, o crescimento e a sustentabilidade”.

 

O documento, que vai pautar as estratégias do grupo para os próximos anos, foi apresentado em Florianópolis, hoje pela manhã (quinta-feira, 18), em evento que também contou com os governadores de Santa Catarina e do Rio Grande do Sul.

 

Os resultados do diagnóstico brasileiro foram apresentados pelo diretor do Banco Mundial para o Brasil, Martin Raiser. O documento é o primeiro passo para construção da nova estratégia de engajamento do Banco Mundial no Brasil para os próximos quatro anos. “O Brasil é um país com muito potencial, mas precisa de reformas para alcançar todo esse seu potencial econômico, social e ambiental”, destacou Raiser.

 

Entre os pontos favoráveis identificados pelo estudo, o presidente do Banco Mundial apontou a real redução da pobreza e da desigualdade social brasileira e a melhora no acesso aos serviços públicos nos últimos anos. Em contrapartida, ressaltou a necessidade de maior eficácia do gasto público e explicou que a política contracíclica, mesmo em face da redução do potencial de crescimento, teve impactos limitados e um custo fiscal muito alto. Defendeu, ainda, que na área ambiental o Brasil deve explorar o potencial do crescimento verde para se consolidar como um das lideranças do setor entre os países emergentes.

 

O gerente de Agroecologia e Meio Ambiente da Emater, Marcos Lara, participou do evento para a troca de experiências com técnicos da Epagri.

 

Governos e sociedade contra a crise

 

Para o governador de Santa Catarina, Raimundo Colombo, o encontro foi um momento de reflexão muito importante, diante da qualidade técnica do estudo realizado pelo Banco Mundial. “É um trabalho de qualidade que nos ajuda a enxergar de forma ainda mais clara os desafios que temos e as ações que precisam ser tomadas para o futuro”, afirmou.

 

Colombo ressaltou, ainda, que o enfrentamento à crise é um trabalho em conjunto envolvendo toda a sociedade. “Tem muita gente disposta a destruir. Precisamos de brasileiros com disposição para construir, essa é uma responsabilidade de todos”, afirmou.

 

Como medida dos governos, no entanto, Colombo voltou a defender a urgência de uma reforma política e econômica, revendo pontos com a reforma da previdência, que já começaram a ser tratados em Santa Catarina, mas que para avançar ainda mais precisam de uma mudança na legislação nacional. Colombo reafirmou, também, o compromisso de Santa Catarina em não aumentar impostos estaduais, mesmo diante da queda de arrecadação nos estados.

 

O secretário de Estado da Fazenda, Antonio Gavazzoni, lembrou que, historicamente, que “sempre que testado ou provocado, o Brasil reage bem” e também defendeu a importância da participação ativa da sociedade no atual debate. “Temos um momento de profunda crise, mas também de grandes oportunidades para superar essa mesma crise, a partir de amplas reformas e da conscientização da sociedade”, acrescentou.

 

O governador do Rio Grande do Sul, José Ivo Sartori, destacou a necessidade de uma maior autonomia para os estados e municípios no enfrentamento à crise. “Vivemos uma crise econômica e política e os obstáculos estão nos municípios, nos estados e na União. É preciso um esforço para alcançar a sustentabilidade nos estados, e para isso é preciso maior autonomia”, destacou, citando ações que o Rio Grande do Sul já está adotando para reduzir o tamanho da máquina pública no Estado.

 

Sartori ressaltou também a importância dessa aproximação entre os estados, a exemplo de Santa Catarina e Rio Grande do Sul, que deram a largada para a renegociação da dívida pública dos estados com a União, que terminou de forma favorável para as unidades federativas.

 

Parceria consolidada entre Banco Mundial e Santa Catarina

 

O Banco Mundial funciona como uma cooperativa integrada por 189 países membros. Em Santa Catarina, é parceiro do programa SC Rural, que teve início em 2011 e termina em junho de 2017. “São experiências muito positivas”, afirmou o diretor do Banco Mundial para o Brasil, Martin Raiser.

 

“Temos uma parceria de 30 anos com o Banco Mundial na área do agronegócio, envolvendo também programas anteriores ao SC Rural. Essa tradição foi um dos motivos deste evento ser realizado em Santa Catarina”, explicou o secretário executivo do programa SC Rural, Julio Cesar Bodanese.

 

“A área agrícola é a que está respondendo melhor a crise em Santa Catarina, estamos conseguindo ativar fortemente a economia, inclusive com ganho nas exportações. Mas o processo de êxodo rural nos preocupa muito. E o SC Rural, por meio da parceria com o Banco Mundial, tem nos permitido fortalecer a atividade e evitar que as novas gerações deixem o campo”, acrescentou Colombo.

 

A iniciativa é executada pelo Governo do Estado e destina recursos não reembolsáveis a empreendimentos da agricultura familiar, mediante contrapartida dos beneficiários. Nestes cinco anos como SC Rural, o programa já destinou cerca de R$ 600 milhões para projetos que melhorem a produtividade da agricultura familiar nos meios rural e pesqueiro, beneficiando 11 mil famílias em todo o Estado.

 

Os empreendimentos apoiados abrangem atividades agrícolas ou não agrícolas (como o turismo rural) por meio de projetos de caráter estruturante, de melhorias de sistemas produtivos ou planos de negócios, além de outras ações implementadas por cooperativas e associações de agricultores familiares.

 

O SC Rural é coordenado pela Secretaria da Agricultura e da Pesca e, por envolver atividades multissetoriais, é executado por diversas instituições: Epagri, Cidasc, Fatma, Polícia Militar Ambiental, Secretaria de Turismo, Cultura e Esportes, Secretaria de Desenvolvimento Econômico Sustentável e Secretaria de Infraestrutura.

 

Texto: Asbraer, com informações da Secom SC

Empresa de Assistência Técnica e Extensão Rural do Distrito Federal - Governo do Distrito Federal

Emater-DF

Parque Estação Biológica, Ed. Sede EMATER-DF CEP: 70.770.915 Brasília - DF Telefone: 3311-9330 E-mail: emater@emater.df.gov.br