Governo do Distrito Federal
Governo do Distrito Federal
1/07/15 às 11h50 - Atualizado em 29/10/18 às 11h34

Vazio Sanitário da soja vai até 30 de setembro

 

O período para o vazio sanitário da soja será de 1º de julho a 30 de setembro. A Secretaria de Agricultura, Abastecimento e Desenvolvimento Rural do Distrito Federal (Seagri) está preparada para fazer cumprir no campo as exigências desse intervalo de tempo em que não é permitida a cultura de plantas vivas, voluntárias ou cultivadas, para se evitar doenças e pragas nas lavouras. O produtor infrator poderá ser penalizado e ainda comprometer a sanidade e a produtividade da cultura na próxima safra.

 

O principal objetivo do vazio sanitário é o controle do fungo da ferrugem asiática da soja (Phakopsora pachyrhizi), mas este ano o sojicultor tem outros dois inimigos pela frente, a mosca branca (Bemisia tabaci biótipo B) e a lagarta falsa medideira, que também têm provocado perdas nas lavouras.

 

A ferrugem é praga específica da soja. Já a mosca branca e a lagarta, além da soja atacam as culturas de grande importância econômica como algodão, tomate e milho. Para eliminar os restos culturais, o agricultor pode optar pela destruição mecânica ou química.

 

Durante os 90 dias de vazio sanitário, é proibido mater plantas vivas de soja. Isto porque esta determinação não engloba apenas as plantas cultivadas, mas também as oriundas da germinação espontânea (sem que o produtor as cultive).

 

Nesse período, os Fiscais da Defesa Agropecuária da Seagri estarão em campo realizando a fiscalização nas áreas que produziram soja, visando o cumprimento das medidas legislativas. “Quem desrespeitar a legislação poderá receber multa de R$ 15 mil a R$ 50 mil”, esclarece a chefe do Núcleo de Sanidade Vegetal da Seagri, Lara Line Pereira de Souza.

 

Pragas

 

O principal dano provocado pela ferrugem é a desfolha precoce, que impede a completa formação dos grãos. A disseminação do fungo é feita, principalmente, pelo vento e sua sobrevivência depende de plantas vivas hospedeiras que podem ser a própria soja, ou plantas daninhas. “A fiscalização será para plantas voluntárias de soja. E é muito importante o apoio do produtor, cumprindo a medida ou denunciando infratores. Só assim vamos conseguir reduzir os danos causados pela doença”, explicou Lara Line.

 

Fonte: Seagri-DF

Empresa de Assistência Técnica e Extensão Rural do Distrito Federal - Governo do Distrito Federal

Emater-DF

Parque Estação Biológica, Ed. Sede EMATER-DF CEP: 70.770.915 Brasília - DF Telefone: 3311-9330 E-mail: emater@emater.df.gov.br