Governo do Distrito Federal
Governo do Distrito Federal
24/10/19 às 16h20 - Atualizado em 25/10/19 às 10h09

Encontro de piscicultores do DF e Entorno reúne produtores; mercado de peixes foi tema do evento

Produtores de peixe de Brasília, Goiás e Minas Gerais em evento na Granja do Ipê

 

Produtores do Distrito Federal e de cidades de Goiás e Minas Gerais participaram nesta quinta-feira (24) do 15º Encontro de Piscicultores do Distrito Federal e Entorno. Promovido pela Emater-DF em parceria com a Secretaria de Agricultura, o evento teve 85 piscicultores e técnicos inscritos para o ciclo de palestras e troca de experiências sobre a produção de pescado.

 

Secretário Nacional da Pesca visita unidades de piscicultura apoiadas pelo Sistema Agricultura

Emater-DF orienta produtores a como produzir mais peixes com menor custo

Produtor do Lago Norte testa aquaponia em sistema sustentável de larga escala

 

A presidente da Emater-DF, Denise Fonseca, destacou a importância do setor na capital e na Região Integrada de Desenvolvimento Econômico (Ride). “Apenas 15% da demanda do DF é atendida pelos nossos produtores. Os 85% restantes vêm de outros estados e países. Temos um espaço enorme para crescer, e o fortalecimento da cadeia produtiva da piscicultura é uma diretriz do governo Ibaneis. A Emater está de portas abertas para fazer isso acontecer”, disse.

 

Denise ressaltou o potencial do mercado do Distrito Federal como foco para os produtores da região

 

A produção anual de pescado do DF é de cerca de 1,5 mil toneladas, sendo que a criação de tilápias responde por mais de 90% do total. Brasília é o terceiro maior mercado consumidor do Brasil, perdendo apenas para as cidades de São Paulo e do Rio de Janeiro. Na capital do país, o consumo per capita é de 14 quilos por ano, muito acima da média nacional, que é de 9,5 quilos por habitantes.

 

Levantamento da cadeia produtiva

Durante a abertura do evento, o coordenador da área de piscicultura da Emater, Adalmyr Borges, destacou a necessidade de se mapear a cadeia produtiva do DF e Entorno. Segundo ele, a medição permite a obtenção de dados não apenas do número de produtores, mas também a elaboração de um diagnóstico da produção e das condições de cada propriedade. Hoje, de acordo com registros dos órgãos do setor agropecuário, o DF tem entre 420 e 470 piscicultores.

 

Para realizar esse levantamento, o GDF formou um grupo de trabalho que envolve diversos órgãos ligados ao setor produtivo, como a Emater, Embrapa, Secretaria de Agricultura e a Ceasa. O levantamento dos dados em campo deve ser iniciado em breve, segundo a coordenadora de Boas Práticas Agropecuárias da Secretaria de Agricultura, Lara Line.

 

Produtor de tilápia, tambatinga, tambaqui e surubim há 25 anos, Divino Augusto Neto, que esteve no evento, afirmou que o objetivo foi trocar aprendizado e discutir a parte de comercialização. “De tudo que a gente participa, sempre tem alguma coisa para aprender. Cada palestrante tem uma visão e conhecimentos a serem difundidos. Eu vim mais para debater a parte da comercialização. Aqui no DF tem muito espaço para crescimento, mas o problema é que tem muito mercado de fora aqui”, apontou.

 

Debates do encontro

Na primeira palestra do dia, Adalmyr falou sobre o mercado de produção e consumo de peixes em todo o Distrito Federal. Logo em seguida, com vasta experiência na assistência técnica e extensão rural e na capacitação de produtores, o responsável técnico de piscicultura da Emater-GO, Francisco Cabral Neto, deu um panorama do mercado no estado de Goiás.

 

Produtores assistiram às palestras e participaram dos debates

 

De acordo com ele, o forte em Goiás também é a tilápia, mas o mercado de peixes ornamentais é crescente e vantajoso. Ele falou ainda sobre a importância dos sistemas de aeração para oxigenação dos peixes. “Faltou oxigênio, os peixes morrem. Essa é uma parte de extrema importância na produção”, destacou.

 

Ao final da programação da manhã, houve uma mesa redonda com a moderação do gerente de Tecnologia Agropecuária da Secretaria de Agricultura, Ângelo Augusto da Costa. Todas as dúvidas foram respondidas por Adalmyr e Neto.

 

A parte da tarde também foi recheada de programações, após um almoço oferecido aos participantes e que teve como prato principal o peixe tilápia. Sistemas de produção, comercialização, Boas Práticas de Produção (BPA), Regularização Ambiental, Regularização sanitária, agregação de valor no processamento, entre outras questões, foram questionadas durante o evento.

 

A extensionista Bruna Heckler  fala sobre a comercialização de peixes no Distrito Federal

 

Pesquisa da UnB
Durante o encontro, duas alunas do curso de medicina-veterinária da Universidade de Brasília (UnB) fizeram uma pesquisa com produtores sobre a produção de lambari, espécie que é objeto de estudo delas.

 

Juliana Ventorim analisa as boas práticas de produção e Giovana Naira Pereira Couto as doenças que mais acometem a espécie no Distrito Federal. Segundo elas, a produção de lambari é pequena no DF (cerca de 300 quilos por ano) e quase toda usada na fabricação de iscas para pescaria, razão pela qual muitas vezes há uma preocupação menor com questões sanitárias.

 

Além da parceria entre a Emater-DF, Secretaria de Agricultura, o evento na Granja do Ipê teve a participação da Rações Nutrina e da Aquamat/GeoSoluçōes.

 

 

A Emater-DF
Empresa pública que atua na promoção do desenvolvimento rural sustentável e da segurança alimentar, prestando assistência técnica e extensão rural a mais de 18 mil produtores do DF e Entorno. Por ano, realiza cerca de 120 mil atendimentos, por meio de ações como oficinas, cursos, visitas técnicas, dias de campo e reuniões técnicas.

 

Empresa de Assistência Técnica e Extensão Rural do Distrito Federal - Governo do Distrito Federal

Emater-DF

Parque Estação Biológica, Ed. Sede EMATER-DF CEP: 70.770.915 Brasília - DF Telefone: 3311-9330 E-mail: emater@emater.df.gov.br